A cidade sitiada

Clarice Lispector

A cidade sitiada foi escrito durante os três anos que Clarice viveu em Berna, quando seu marido trabalhava no consulado brasileiro local. Ela sentia-se melancólica, solitária e oprimida pelo silêncio da capital suíça. Isso deve ter sido devido ao fato de que a cidade é majoritariamente germanófila e Clarice, que dominava bem o inglês e o francês não falava alemão.

A autora transferiu suas aflições e sentimentos pessoais para a protagonista, Lucrécia Neves, “mulher sitiada” que sentia-se sufocada no insípido subúrbio de São Geraldo. Assim que terminou de escrever o livro, Clarice rumou para a maternidade, para ter o primeiro filho, Pedro.

Em 1971, Clarice Lispector disse ao jornal Correio da Manhã que A cidade sitiada, de 1949, foi seu livro mais difícil de escrever. Talvez porque, na história de Lucrécia Neves, o talento de Clarice tenha levado à perfeição o paradoxo de desumanizar ao máximo seus personagens para torná-los visceralmente humanos. A simplória Lucrécia, de A cidade sitiada, docemente desprovida de raciocínio e/ou de consciência, é alma gêmea de Macabéa, que muitos já viram na versão cinematográfica A hora da estrela. Lucrécia é apenas o que ela vê: os cavalos a esmo na suburbana cidade natal de São Geraldo, o morro do Pasto, o armazém, o sol sem vento da tarde.

Lucrécia portanto era São Geraldo. Sua alma, suas emoções eram o tédio do subúrbio. Ela tinha um vago desejo de se casar e, por isto, passeava com o tenente Felipe, do qual gostava da farda militar, mas ele não gostava de São Geraldo, logo não gostaria de Lucrécia. Saía com Perceu Maria, que desprezava talvez por ser atônito e vazio como ela. Mas nenhum dos dois a pedia em casamento e, quando a agonia do coração de Lucrécia batia em descompasso com a modorra da cidade, ela sonhava com um baile. Um baile com música e danças seria a salvação.

Por pura catatonia, restou a Lucrécia o casamento com Mateus Correia, comerciante rico e bem mais velho, por iniciativa da mãe, Ana, à qual não oferecera entusiasmo ou resistência. Esta era a marca da relação de Lucrécia com a mãe e com o mundo: – O meu passarinho fica mais bonito na prateleira de cima da cristaleira. Vê-se muito mais, hem, menina – dizia Ana, em seu mais denso diálogo de uma tarde muda.

Mas era apenas um modo de ver; e nada mais, pensava Lucrécia, sem saber que pensava e tampouco o que era o pensamento. Às vezes tinha rasgos perceptivos que expressava em um "Mamãe, como nossa vida é triste". A ação de Lucrécia é sitiada por algo misterioso que a faz seguir a vida "apenas vendo". E sua história é uma colagem de contos que a autora transforma em capítulos em cronológica seqüência. Depois do casamento, Lucrécia continuou a ver diariamente o movimento do trânsito, da construção de um viaduto, das aranhas fazendo suas teias, os mosquitos. Via o marido e suas preocupações domésticas. Amava-o? Depois da morte de Mateus, Lucrécia, menos sitiada mas ainda não liberta, vai em busca de um homem de bom coração. Mas para ela o amor era difícil. Ela não o via e, portanto, não sabia o que era o amor.

ler mais

Fonte: Divulgação/editora

COMPRAR na Amazon

Primeira publicação: 1949

Idioma: Português

ISBN mais comum:

Principal editora: Nova Fronteira

Preço médio: R$ 1,00

Obs.: O preço exibido acima é a média do valor pago pelos Livristas que já possuem o livro e não tem relação com seu preço atual de venda.

Capa de A cidade sitiada - Clarice Lispector

Veja os exemplares deste livro encontrados nas bibliotecas dos Livristas:

Nenhuma resenha disponível.

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.


Warning: Trying to access array offset on value of type null in /var/www/vhosts/livrista.com.br/httpdocs/widget_footer.php on line 106